QUAIS SÃO OS PILARES DA INDÚSTRIA 4.0?

Os pilares e as principais propriedades

A aplicação crescente de tecnologias digitais amplia a discussão sobre quais pilares devem ser adotados para garantir a sua funcionalidade

Os conceitos da Indústria 4.0 estão cada vez mais presentes nas fábricas. Também chamada de quarta revolução industrial, as novas tecnologias digitais estão reorientando a formatação dos setores produtivos a partir do desenvolvimento de sistemas de gestão autônomos e conectados entre si. Um dos impactos mais visíveis é a otimização de processos, os quais são mais rápidos e flexíveis, eficientes e com capacidade de redução de custos, aumento da produtividade e qualidade dos produtos fabricados. Embora os fundamentos da Indústria 4.0 venham ganhando destaque por suas potencialidades há quase uma década, a aplicação crescente dessas tecnologias amplia a discussão sobre quais pilares devem ser adotados para garantir a sua funcionalidade. A base tecnológica desta nova era inclui a análise de dados em tempo real, o que é importante para a tomada de decisão de maneira assertiva. Essa funcionalidade é potencializada pela virtualização dos processos produtivos em todas suas etapas, o que permite o monitoramento da cadeia de produção. Com base nos dados coletados, os próprios sistemas são capazes de analisar os processos e tomar decisões a fim de corrigir falhas e garantir mais eficiência.

Mas quais tecnologias estão se consolidando como os pilares dessa revolução? Confira abaixo, de acordo com a consultoria BCG, ferramentas fundamentais para levar as indústrias a um novo patamar tecnológico:

Robôs Autônomos – a presença da robótica no chão de fábrica não é novidade nas indústrias. Há algum tempo homens e máquinas trabalham juntos nesse ambiente. No entanto, o diferencial dos robôs da Indústria 4.0 são novas habilidades, como a capacidade de trabalhar sem supervisão ou intervenção humana, interagindo de forma inteligente também com outras máquinas. Esses robôs podem realizar de forma rápida, precisa e segura uma série de tarefas que impactam na redução de custos com pessoal e no aumento da produção;

Manufatura Aditiva – por meio da tecnologia de impressão 3D será possível criar desde protótipos até peças finais, ampliando a capacidade de se produzir itens personalizados. Entre as vantagens estratégicas da manufatura aditiva está a maior flexibilidade e capacidade de impressão de desenhos complexos; Internet das Coisas – considerada uma das tecnologias mais importantes da Indústria 4.0, a conectividade entre dispositivos permite melhor acesso aos dados, tornando processos mais produtivos a partir da automação total da produção;

Realidade Aumentada – unir o mundo digital com o mundo real e possibilitar a interação entre eles é a proposta da realidade aumentada. O conceito já vem sendo usado, ainda que de forma tímida na medicina e educação, mas na indústria pode ser usado para criação de tutoriais para melhorias no processo de trabalho como um todo, como em instruções de montagem, desenvolvimentos de protótipos e até para a operação de máquinas com o uso dos já conhecidos óculos de realidade aumentada;

Simulação – muito se fala na redução de custos e aumento da qualidade com a Indústria 4.0. Nesse contexto, a simulação computacional é uma das tecnologias que permitem alcançar esse resultado. Isso porque, por meio da simulação, é possível que produtos e processos sejam testados ainda em estágios de desenvolvimento e criação, aperfeiçoando tanto o produto quanto o processo em si, a partir do desenvolvimento virtual de um ambiente que reproduz o mundo real, por meio dos dados coletados da planta industrial, por exemplo. É nesse ambiente virtual, mas com dados do mundo físico, que toda a cadeia de criação do produto é testada e aperfeiçoada;

Big Data e Analytics – a enorme quantidade de dados gerados e coletados são sistematicamente analisados de forma a melhorar o desempenho na indústria. Sistemas e dispositivos conectados e inteligentes atuam de forma integrada, identificando falhas em tempo real, melhorando processos de forma a garantir eficiência energética e qualidade da produção com economia de recursos;

Computação em Nuvem – além de ser um pilar para a Indústria 4.0, a Computação em Nuvem é o modelo tecnológico que sustenta seu desenvolvimento. O modelo permite que o acesso a banco de dados, bem como a integração de aplicações, suportes e controles possam ser acessados de qualquer localidade. Custos com estrutura física de servidores, por exemplo, são eliminados com essa tecnologia.

Cibersegurança – nesse ambiente com coisas e sistemas conectados, a segurança cibernética é uma necessidade – e um desafio – para a Indústria 4.0.

A criação de procedimentos de TI para garantir redes seguras é fundamental para o negócio; Sistemas integrados – a digitalização de dados irá permitir a unificação de toda a cadeia produtiva de forma automatizada, integrando sistemas das empresas, fornecedores, distribuidores e clientes. Tão importantes quanto as novas tecnologias digitais são os profissionais que irão atuar no desenvolvimento e na operação desse ambiente complexo. O capital humano é fundamental no processo, pois também terá novas qualificações e demandas.

Fonte de Conteúdo e imagem: Canal Comstor

N&DC Systems IntegrationQUAIS SÃO OS PILARES DA INDÚSTRIA 4.0?

Related Posts

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *